Google+

31 de mai de 2014

Entre quadros e decorações


É recorrente a seguinte pergunta: os quadros que vão na parede devem combinar com a decoração?


A primeira ideia de "combinar" que vem em mente é algo deste tipo: usar as mesmas cores e tonalidades.

Bom, essa é uma opção, mas não uma regra.

O quadro deve combinar com a decoração em um sentido mais amplo: participando do esquema de cores e do estilo escolhido. Mesmo que o interior tenha sido pensado combinando diferentes estilos, cabe que este quadro se adeque à composição geral.

Se a obra de arte tem uma composição de cores menos óbvia, as outras cores escolhidas no ambiente podem ajudar a enfatizar ou destacar certas tonalidades. Pense, na foto a seguir, como seria diferente se uma das almofadas fosse verde limão, em tom semelhante ao centralizado no quadro maior.

É mais ou menos o que acontece nessa foto a seguir, onde a escolha da almofada enfatiza o verde do quadro. Então observe que há um jogo de dupla referenciação entre as cores da decoração e do quadro. Se as almofadas fossem em um tom de azul claro, provavelmente observaríamos primeiro os tons de água da peça colocada na parede. Mas o que de fato salta primeiro aos olhos é o relevo em verde.

Nesse próximo ambiente, também há uma combinação verde e laranja sutil e orquestrada. Chega ao nível das plantas no vasinho sobre a mesa depois de passar pela referência nas almofadas. Simplesmente genial.


Nessa forma de mimetização das cores, é preciso verificar se a obra de arte a ser apreciada não vai sofrer camuflada no seu entorno, como ocorre na próxima imagem. Tenho certeza que uma parede que se diferenciasse do quadro nas cores e na textura o valorizaria mais. E veja que é uma peça digna de destaque.


Dessa forma, a peça de arte pode definir um contraponto na combinação de cores escolhidas, especialmente se ele for determinante na caracterização do ambiente - quer seja pelo tamanho ou pelo impacto visual. Apesar da sala a seguir ser toda decorada em tons de terra, não há erro na composição com o azul predominante no quadro escolhido.

E também é possível, mesmo que o quadro seja o elemento chave, que alguns pontos da decoração nos mostrem que não há mero acaso nas escolhas, pontuando cores semelhantes.  Veja que belíssima a decomposição das cores do quadro na caracterização do próximo ambiente! E note que o esquema de cores é semelhante ao anterior.

Aqui o conceito é idêntico. Mesmo com cores fortes, há uma harmonia sobre o fundo neutro:


Já nesta sala, também ocorre uma sutileza no destaque do vermelho do quadro:
Veja a diferença com esta outra composição em que o único vermelho está no quadro. É um belo contraponto às escolhas amarelas sobre a base acromática. E arrisco dizer que é mais agradável do que se os móveis amarelos também fossem vermelhos. Segue outro exemplo onde não há uma "combinação" no primeiro sentido da palavra!
Por fim, veja este quadro combinando com a vista e o paisagismo. É uma outra possibilidade. Belíssimo conceito no projeto!

Houzz
Em resumo, não só para os quadros, existe uma outra arte que é a adequação da obra de arte, procurando uma valorização do ambiente por conta dela, concomitante a uma valorização dela no ambiente.


Érica Marina

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...